"Por força da decisão transitada em julgado nos autos do Processo nº 0077000-45.2009.5.10.0006, em 24 de outubro de 2011, o SINDICATO NACIONAL DOS SERVIDORES DAS AGÊNCIAS NACIONAIS DE REGULAÇÃO - SINAGÊNCIAS foi reconhecido como ÚNICA entidade sindical com poderes de representação da categoria dos servidores das agências reguladoras federais, independentemente de seu regime funcional."

FECHAR
TWITTER
FACEBOOK
LINKEDIN
Aprovadas em Plenário as indicações para diretorias de Anatel e ANP

As indicações foram confirmadas ambas em comissões e em Plenário nesta terça-feira (7).

Publicado em: 08/11/2017

O Plenário do Senado aprovou na tarde desta terça-feira (7) as indicações de Emmanoel Campelo de Souza Pereira para o Conselho Diretor da Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel) e Dirceu Cardoso Amorelli para a diretoria da Agência Nacional de Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP). Amorelli é servidor de carreira da agência desde 2005 e dirige atualmente a Superintendência de Exploração do órgão, enquanto Emmanoel Campelo assumirá a vaga de Igor Vilas Boas de Freitas, cujo mandato termina em novembro.


Emmanoel Campelo de Souza Pereira

A mensagem de sua indicação (SF) 67/2017 foi aprovada por 48 votos a favor e 10 contra. O relator da matéria na Comissão de Serviços de Infraestrutura (CI) foi o senador Eduardo Braga (PMDB-AM).


Pela manhã, durante sabatina na CI, Emmanoel Campelo esclareceu que nunca atuou como advogado de empresas de telefonia. Ele defendeu uma decisão rápida para a recuperação da operadora Oi, sob o risco de um “apagão de telecomunicações”. O indicado destacou que a empresa é a fornecedora exclusiva de telefonia e banda larga em mais de 2 mil municípios.

Campelo sugeriu o uso de recursos do Fundo de Universalização dos Serviços de Telecomunicações (Fust) para a ampliação do acesso à internet em banda larga. E cobrou a redução da carga tributária para o setor, o que, segundo ele, facilitaria a ampliação da área de cobertura.


Emmanoel Campelo de Souza Pereira nasceu em Natal (RN) e tem 36 anos. Doutor em Direito pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, ele integrou o Conselho Nacional de Justiça (CNJ) e é professor do Instituto Brasiliense de Direito Público (IDP).


Dirceu Cardoso Amorelli

Engenheiro de formação, Dirceu Cardoso Amorelli recebeu 58 votos favoráveis, 4 contrários e uma abstenção em Plenário. O atual diretor de Superintendência de Exploração da ANP foi indagado sobre a situação atual do pré-sal.

A mudança do regime de partilha para concessão na área do pré-sal foi um dos temas mais recorrentes nas perguntas feitas pelos senadores durante a sabatina do indicado na Comissão de Serviços de Infraestrutura (CI). A questão ganhou força no final de outubro, quando o presidente da Câmara, Rodrigo Maia, anunciou que pautaria projeto que acaba com o regime de partilha da produção no setor de petróleo.


Pelo regime de partilha, implantado pelo governo do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva após a descoberta de reservas na área do pré-sal, a empresa contratada para explorar uma área cede parte da produção futura ao governo e paga um valor (bônus) na assinatura do contrato. Já na concessão, a empresa paga um bônus maior à vista ao governo, mas não precisa compartilhar a produção futura com a União. A empresa assume o risco de encontrar ou não petróleo - se encontrar muito petróleo, não precisa dividir a produção com a União, apenas pagar royalties.


O relator da indicação, senador Eduardo Braga (PMDB-AM) foi o primeiro a questionar o indicado sobre a possível mudança. Em resposta, Amorelli frisou que cabe à ANP apenas regular e executar o regime definido pelo governo em conjunto com o Congresso. Já a senadora Vanessa Grazziotin (PCdoB-AM) perguntou ao indicado se o regime de partilha é adotado em outros países que são grandes produtores de petróleo. Amorelli destacou que os dois modelos apresentam vantagens e desvantagens e que o mais importante é dar previsibilidade ao mercado.


Fonte: Agência Senado