Analista da Anatel fala da importância e dificuldade da governança corporativa dentro das agências reguladoras - Unareg

"Por força da decisão transitada em julgado nos autos do Processo nº 0077000-45.2009.5.10.0006, em 24 de outubro de 2011, o SINDICATO NACIONAL DOS SERVIDORES DAS AGÊNCIAS NACIONAIS DE REGULAÇÃO - SINAGÊNCIAS foi reconhecido como ÚNICA entidade sindical com poderes de representação da categoria dos servidores das agências reguladoras federais, independentemente de seu regime funcional."

FECHAR
TWITTER
FACEBOOK
LINKEDIN
Analista da Anatel fala da importância e dificuldade da governança corporativa dentro das agências reguladoras
Analista da Anatel fala da importância e dificuldade da governança corporativa dentro das agências reguladoras
Publicado em: 22/10/2019
Por Assessoria UnaReg

O analista administrativo da Anatel, Carlos Jorge Arruda Lima, filiado da União Nacional dos Servidores de Carreira das Agências Reguladoras Federais UnaReg, estruturou um estudo a respeito da governança pública no contexto da Gestão de Pessoas da Agência Nacional de Telecomunicações. Ele apresentou sua monografia para a conclusão do curso de pós-graduação, apresentado ao Departamento de Ciências Administrativas da Universidade Federal do Rio Grande do Sul.

Em seu estudo, Carlos Jorge salientou que as boas práticas elencadas e pesquisadas podem ser colocadas em ação nas agências reguladoras como um todo, bastando adaptações, quando necessário. Em entrevista, o analista explicou um pouco mais da importância deste trabalho.

A UnaReg vê em sua iniciativa em tratar sobre o tema de governança corporativa, sob a ótica de gestão de pessoas, como de extrema importância e contribuição para o setor. O que o levou a procurar discutir este assunto?

Atuei por cerca de 22 anos na iniciativa privada, em carreiras técnicas, administrativas e gerenciais, mudando o rumo de minha carreira, ingressei no serviço público em 2013, como analista administrativo. Para mim foi uma surpresa perceber a imensa diferença entre a forma de trabalho da iniciativa privada e aquela utilizada no âmbito público. Como o próprio nome indica, por ser um negócio público, há muitas regras, leis e normas a serem seguidas, a fim de garantir princípios gerais como os da legalidade, impessoalidade, moralidade, publicidade e eficiência, o que sob vários aspectos é correto. Contudo, a sistemática básica deste mesmo arcabouço normativo – a burocracia – remanesce de uma forma de trabalhar originada há mais de 200 anos e em meu entendimento vem prejudicando a Administração Pública moderna. Não é à toa que a sociedade tem criticado o servidor público, pois em muitos casos ela não consegue obter serviços públicos de qualidade, com custos competitivos e em tempo razoável.
Boa parte dos cidadãos desconhece que o servidor público só pode realizar estritamente aquilo que está nas normas e nas leis, ao contrário deles próprios, que podem fazer tudo o que a lei não proíbe. Ficou claro para mim que se a Administração Pública quiser ser tão eficiente quanto a iniciativa privada, as leis e normas que regem o funcionamento da primeira devem se aproximar daquelas que são utilizadas pela segunda, permitindo ao gestor e ao servidor público serem mais flexíveis para alcançar melhores resultados. Em outras palavras, a Administração Pública deve se modernizar e adotar leis, normas, sistemas, mecanismos e técnicas que permitam ao servidor público ser tão eficiente quanto os profissionais da iniciativa privada. Princípios como meritocracia, empowerment, transparência e accountability, dentre outros, devem ser seriamente adotados para o aprimoramento do serviço público, sob o manto da governança corporativa.

Quando me propus a cursar uma pós-graduação para melhorar meu desempenho profissional, uni meu cotidiano e realidade com a vontade de melhorar aspectos práticos na ANATEL, órgão em que eu trabalho. Assim, busquei informações sobre governança no Tribunal de Contas da União – TCU, que realiza estudos reais sobre este assunto e resolvi pesquisar a respeito.

Como foi estruturado seu estudo e o que é mais interessante destacar deste trabalho?

Descobri que o TCU faz estudos periódicos sobre governança voltada ao setor público e que a ANATEL já havia participado de alguns destes estudos. Ao comparar as notas obtidas pela ANATEL nos indicadores utilizados pelo TCU, verifiquei que a autarquia não havia ainda, implementado adequadamente boa parte das recomendações feitas pelo Tribunal, quanto ao aprimoramento da sua governança, em especial quanto à governança de pessoas. Assim, busquei informações para entender as dificuldades enfrentadas por ela para adotar e implementar as recomendações do TCU, pois já conhecia a organização e estaria mais próximo das situações reais. Constatei que o indicador de capacidade em gestão de pessoas era aquele que apresentou o menor desempenho dentre os outros, tendo como base o levantamento de 2017 do TCU.

Foram selecionadas quatro práticas agregadoras relacionadas à capacidade de gestão de pessoas com baixo desempenho, de até 25%, compostas por quinze práticas a elas agregadas. Sobre essas práticas foi aplicado um questionário que possibilitou identificar as naturezas de dificuldades que mais prejudicaram a ANATEL em adotá-las e executá-las e que tornou possível elaborar sugestões de ações para mitigar ou eliminar estas dificuldades. Os maiores embargos estavam relacionados a fatores políticos, à qualificação da área de recursos humanos e à cultura organizacional.
Os resultados também sugerem que o fator político é predominante na ANATEL, podendo ser extrapolado para outras agências reguladoras em futuras pesquisas, e que é fundamental reforçar aspectos como transparência, equidade e prestação de contas, em especial por parte dos integrantes da alta Administração, além da necessidade de a instituição adotar com mais ênfase critérios meritocráticos, quanto à seleção, avaliação e manutenção de suas lideranças. Foram sugeridas trinta e três ações que segundo a visão dos entrevistados e do pesquisador poderiam impactar positivamente na governança de pessoas da organização e, assim, promover a entrega de valor público à Sociedade.

O que você entendeu e acha importante divulgar a respeito da governança corporativa nas agências reguladoras?

O conceito de governança corporativa surgiu em empresas e corporações privadas e municiou-se de diversos mecanismos de controle a fim de garantir que os interesses de seus stakeholders fossem mediados. Apenas recentemente, em razão da democracia no mundo e do aumento da complexidade nas relações entre os diversos atores sociais, o conceito governança corporativa passou a ser aplicado também à esfera pública, a fim de que as organizações públicas e seus agentes pudessem ser efetivamente monitorados e avaliados por seus dirigentes e pelo seu maior stakeholder – a Sociedade –, quanto à entrega do valor público esperado.

As agências reguladoras são órgãos relativamente jovens no Brasil e desempenham importante papel nos cenários tecnológico, econômico e social. O desempenho das agências reguladoras depende do quão eficientes e efetivas elas de fato são, sobretudo, na busca pelo equilíbrio de interesses entre a Sociedade e o Mercado, os quais exigem cada vez mais qualidade e velocidade na apresentação de resultados.

De acordo com a evolução do meu estudo, ficou claro que a implementação ampla e séria do conceito de governança, associada a uma profunda reformulação da maneira de se conduzir a Administração Pública, pode proporcionar melhores condições para o alcance de resultados, ao favorecer princípios como transparência, responsabilidade corporativa, equidade e accountability no serviço público.

 

Diante deste trabalho, o presidente da UnaReg, Elson Silva, ressaltou que considera essencial o aperfeiçoamento contínuo dos mecanismos de governança das agências reguladoras, para que estas instituições consigam exercer suas funções adequadamente, em atendimento ao interesse público. “A recente aprovação da Lei nº 13.848/2019 representou um grande avanço neste sentido.”, enfatizou, além de parabenizar a iniciativa de Carlos Jorge.

A monografia e a apresentação para a banca estão disponíveis para consulta e apreciação no caminho: https://cloud.anatel.gov.br/index.php/s/bveWdr9U6vJStEz.